(51) 3581.3097

Av. Primeiro de Março, 971 Novo Hamburgo • RS

voltar

Alimentação

O Mito do óleo de coco

Desmitificando com base na ciência. O óleo de coco é uma das fontes mais ricas em gorduras saturadas conhecidas.

19/07/2019

Desmitificando com base na ciência.

O óleo de coco é uma das fontes mais ricas em gorduras saturadas conhecidas.

Novas pesquisas mostram que as gorduras saturadas são inofensivas e não causam “entupimento das artérias”. Na verdade, o óleo de coco é uma fonte de energia rápida que é transformada em corpos cetônicos.

Esta característica faz com que ele seja uma das melhores opções de gordura para cozinhar em alta temperatura.

Ao contrário dos ácidos gordos poli-insaturados encontrados nos óleos vegetais como os milho e de soja que são convertidos em compostos tóxicos quando aquecidos e são nocivos para a saúde.

Hoje o óleo de coco esta em alta, mas na índia o seu uso é milenar. No Ayurveda, seu uso é constante, mas lembrando que ele é um óleo indicado de acordo com o biótipo da pessoa ou da desarmonia em que se encontra. Temos que levar em consideração muitas descobertas que tem acontecido com o óleo de coco assim como seus produtos derivados.

Propriedades do óleo de coco

Ação Antioxidante

Ao contrário de outras gorduras, principalmente em relação aos óleos poliinsaturados, a gordura de coco diminuiu as necessidades de vitamina E do organismo.

Emagrecimento

A gordura de coco é a melhor fonte de triglicerídeos de cadeia média e não necessita de enzimas para sua digestão e metabolismo. Como essa ação metabólica é feita pelo fígado, estes triglicerídeos rapidamente se transformam em energia,desta maneira não se depositam no organismo e desta forma é considerada “termogênica” capaz de gerar calor e queimar calorias.

Ação junto à Tireoide

A gordura de coco estimula a glândula tireoide, aumenta o metabolismo basal e, conseqüentemente, diminuindo o peso corporal. Sua ação nesta glândula ajuda no rejuvenescimento do corpo como um todo, ou seja, aumentando a ação antienvelhecimento e quando falamos em células rejuvenescidas e sadias, estamos cuidando para que o corpo não tenha doenças como câncer,cardiovasculares, obesidade, peles secas, manchadas, cabelos quebradiços e com quedas,retenção hídrica, entre outras.

Aumento do Sistema Imunológico

Outro fator é na prevenção e no combate as bactérias, vermes e fungos. Estes vilões roubam nutrientes e energia do corpo, e com a absorção da cadeia de nutrientes e minerais, aumenta todas as defesas do organismo. Em outras palavras, é o mesmo ácido graxo presente no leite materno.

Equilíbrio Intestinal

Como se trata de um óleo, seu uso feito por ingestão, ajuda a nutrir e lubrificar mais o organismo e isso irá ajudar nos problemas intestinais, tanto nos casos de prisão de ventre, flatulências até nas diarreias, sua gordura tem o poder de normalizar as funções intestinais.

O óleo de coco é um dos poucos alimentos que podem ser classificados como “superalimento”.

Recentemente ele tem tido bastante destaque na mídia. Mas, infelizmente, esse destaque tem sido mais para criticar do que para enfatizar seus inúmeros benefícios.

Nos últimos meses algumas entidades oficiais emitiram posicionamentos contra o consumo do óleo de coco, recomendando ao invés deste, os óleos de soja e girassol como opções mais saudáveis.

Um dos argumentos utilizados para “desrecomendar” este alimento natural foi o de que;

“O óleo de coco não deve ser prescrito para a perda de peso”.

Se você está fazendo uma dieta com baixo carboidrato e utilizando o óleo de coco para se manter energizado na ausência das calorias de açúcares e amidos, é bem possível que o seu corpo perca excesso de peso.

Mas se você está praticando uma dieta comum, com bolos, cookies, barrinha de cereal e um ocasional fast-food e de repente acrescenta óleo de coco na sua dieta, de fato não há chance de que seu corpo elimine os excessos.

O óleo de coco pode elevar o risco de doenças coronárias?

Nos perguntamos: a quem interessa condenar o óleo de coco e glorificar o óleo de soja, canola e girassol comprovadamente nocivos?

O óleo de coco é um produto predominante de cooperativas, com bastante esforço manual e artesanal. Requer mão de obra, por isso é mais caro. Óleo de coco não pode ser produzido na mesma larga escala que acontece com a soja, canola, girassol e outros. Portanto, não é lucrativo para as grandes corporações.

Embora estas considerações polêmicas contra o óleo de coco e a favor dos óleos refinados sejam de associações médicas reconhecidas, não podemos esquecer que essa não é a opinião de inúmeras referências internacionais, incluindo médicos especialistas diversos e fontes rigorosas de pesquisas como o UpToDate, a Academy of Nutrition and Dietetics, o American Journal of Clinical Nutrition, o Medscape e o OpenHeart.

O Óleo de coco é de uso milenar e em algumas culturas fornece mais de 60% das calorias diárias, sendo que problemas cardíacos são basicamente inexistentes. O fato concreto é que o colesterol é IMPORTANTE para a saúde dos hormônios e do cérebro. O LDL é composto de 11 tipos de lípides, sendo que somente 2 são nocivos. Os outros 9 são essenciais para a Saúde. A partir desses dados, é fácil compreender que a epidemia global de aterosclerose, doenças cardíacas, diabetes, obesidade e síndrome metabólica está sendo alimentada por uma dieta rica em carboidratos, açúcar e óleos refinados, e não de gordura natural saturada, algo que os órgãos oficiais hoje estão começando a reconhecer.

Estas são algumas razões para você incorporar o óleo de coco na sua dieta e, na dúvida, consulte um terapeuta Naturopata.

Créditos: Faculdade INNAP

Se desejar, escute este artigo no vídeo abaixo.

Nos siga no Instagram

@faculdade_INNAP